sábado, 3 de agosto de 2013

SERPA


Serpa é tão antiga quem bem poderíamos dizer que vem da noite dos tempos. Não se sabe quem a fundou, existem apenas lendas que como lenda que é podemos começar assim:
Era uma vez
Era uma vez uma linda princesa chamada Serpínia que vivia nas terras para lá das montanhas seu pai Cófilas, rei dor Túrdulos, tribo da Ibéria era um bom homem.
Num país vizinho vivia um outro rei da tribo Celta que era cruel e muito ambicioso Rolarte, que ao ver Serpínia logo quis casar com ela mas a princesa recusou. Pouco depois o príncipe Orosiano visitou Serpínia e seu pai, os dois príncipes logo se enamoraram e decidiram casar. Quando Rolarte soube do casamento jurou vingar-se. Reuniu os seus homens e foi fazer guerra a Orosiano que morreu na batalha. Não contente com a morte do seu rival investiu também contra o pai de Serpinia mas este informado do que se preparava abalou para as longínquas paragens na outra banda da península Ibérica e depois de andarem léguas e léguas chegaram a terras cobertas de luxuriantes verduras, perfumes das flores campestres e abundancia. Serpínia logo se encantou daquele lugar e o rei seu pai logo ali mandou que se construísse uma cidade que seria a nova capital do reino. Em homenagem a Serpínia deram à cidade o nome de Serpe.
Por outro lado conta-se:
Era uma vez uma terra lendária, chamada Serpe,  onde abundavam serpentes  aladas que não eram nem mais nem menos que princesas encantadas dominadas por uma outra Serpente que vivia acoitada nas margens do rio Anas. Era porém uma serpente protectora pois logo que sentia em perigo,  as suas terras e as gentes que a habitavam, logo se apressava para as defender saindo sempre vitoriosa.
                                                        .
Há quem advogue que o nome de Serpa terá a seguinte origem:
A palavra "SERPA" adoptada pelos árabes, deriva naturalmente de Cherba, Nos tempos antigos tomou muitas vezes a forma de Serpia, como se encontra numa inscrição do séc.. XIV e em vários documentos anteriores. Existem ainda vários documentos que admitem os nomes: Cirpis; Sirpis, Séria, Flama Júlia e por fim Serpa.